quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

Votos de um próspero 2010

Que neste novo ano possa novamente o Bayern
pegar assim contra o peito um troféu de campeão :)

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

Mensagem de Natal do Presidente


Boa noite! :)

Estava aqui a pensar no que haveria de vos dizer neste Natal... À falta de inspiração lembrei-me de ir ver o que foi dito em anos passados. Concluí que é quase impossivel superar a mensagem de 2008. Está lá tudo! Tudo excepto a referência às "Sereias Negras", a nossa claque (des)organizada, que tanto celeuma criou no ano passado por não serem referidas.

Como o tempo actualmente não abunda e de resto quando tento pensar em coisas sérias só me lembro de merdas do trabalho... este ano não vou dizer nada além de um banal mas sempre sentido FELIZ NATAL!

E se alguém estava à espera de algo mais, talvez seja melhor ligar a televisão no Canal 1 que o Prof. Dr. Aníbal, (esse também é presidente, mas é de uma nação que não ganha nada na bola) deve estar quase a dirigir-se ao povo :)




Entretanto aproveito a "boleia" deste post para lançar o tema d'OS MELHORES DO ANO


Aproxima-se o final do ano e como habitualmente divulgamos as estatísticas anuais, ou mais concretamente falamos daqueles que mais se destacaram no universo bávaro. Este ano a eleição dos “melhores” será aberta a todos os cibernautas que poderão votar no melhor em cada categoria enviando um email onde se identifique para tinovilas@hotmail.com.
Os emails serão recebidos até ao final do ano e depois de validados internamente os votos serão contabilizados e posteriormente apresentados os resultados no início do ano.


São 5 as categorias em que deve votar:


- BÁVARO DO ANO
- JOGADOR DO ANO
- GUARDA REDES DO ANO
- TREINADOR DO ANO
- "BIDÃO" DO ANO

O JOGADOR, GUARDA REDES e TREINADOR DO ANO, são prémios que não oferecem grandes duvidas. Já o BÁVARO e o BIDÃO DO ANO, poderão ser titulos menos objectivos, por isso passamos a explicar o que se pretende. O "Bidão" representa aquele jogador, treinador, dirigente ou personalidade do universo bávaro que mais desiludiu neste ano de 2009. Ora porque se esperava muito dele ora porque simplesmente foi um "Flop".

Já o "Bávaro do Ano" é o maior galardão a que um bávaro pode aspirar. Não é preciso ser um grande jogador para ganhar este prémio. "Bastará" ser um grande "bávaro" e lutar para fazer do clube cada vez maior.




BÁVARO DO ANO
Candidatos 2009:
Canhão – Está perfeitamente identificado com o Bayern e é cada vez mais um atleta com quem se pode contar, sendo inclusive um membro honorário da Direcção.
/
Domingues – Assumiu ainda mais este ano a vontade de elevar o clube e é actualmente o braço direito da presidência, tendo inclusive já representado o clube em reuniões oficiais da LSF. Ninguém gasta mais dinheiro em telemovel para jogadores do que ele.
/
Pedro – Apesar dos compromissos que tem com a sua equipa oficial, o jovem artilheiro conseguiu quase sempre este ano arranjar um tempinho para ajudar e estar presente nos jogos do Bayern.
/
Tony – O presidente é um candidato natural a este prémio. Dá tudo pelo clube e é incansável em termos organizativos.

2008 – Nuno Silva
2007 – Tony Silva
2006 – Arnaldo Martins
2005 – Pedro Domingues


JOGADOR DO ANO
Candidatos 2009:
Norberto – Não fez um unico jogo na Baliense devido a compromissos profissionais, por isso não ganhou nenhum titulo este ano, mas está a fazer um inicio de epoca espectacular!

Pascoal – Ainda mal jogou neste inicio de epoca, mas foi o grande esteio defensivo da equipa na Baliense e essa segurança está mesmo a fazer falta actualmente.

Pedro – Foi o grande artista da Futbaliense ganhando e ajudando a ganhar tudo!

2008 – Norberto Sousa
2007 – Pedro Sousa
2006 – Norberto Sousa
2005 – Arnaldo Martins


GUARDA REDES DO ANO
Candidatos 2009:
Portero - Fez 5 jogos na Liga e Taça Futbaliense com 5 golos sofridos. Ainda venceu a Supertaça.
/
Rocha - Fez os 8 jogos da Académica, sofrendo 16 golos. Decisivo (nos penaltys) na passagem à meia final.
/
Rui Sá - Fez 14 jogos na Liga e Taça Futbaliense com 14 golos sofridos e ainda marcou um golo e fez uma assistência. Venceu também a Supertaça.

2008 – Ricardo “Portero”
2007 – Rui Sá
2006 – Rui Rocha
2005 – Sérgio Dinis


TREINADOR DO ANO
Candidatos 2009:
Brito - 4º Classificado na Homenagem ao Tozé
/
Domingues - 2º Classificado na Homenagem ao Sr. Sá (Esegur)
/
Tózé - Venceu Liga, Taça, Supertaça e Fair Play na FutBaliense

2008 – Arnaldo Martins
2007 – Arnaldo Martins
2006 – Tózé Ribeiro
2005 – Manuel Maria


“BIDÃO DO ANO”
Candidatos 2009:
Brito (treinador) – Prometeu muito mas não cumpriu no comando técnico da equipa. O seu 4º lugar foi a pior classificação de sempre no Torneio do Júlio. Inclusive faltou a alguns jogos por adormecer…
/
Nunes – De todos os “candidatos” é porventura o que tem mais potencial mas teima em não o confirmar anos após ano. As faltas às convocatórias e treinos não ajudam…
/
Rouxinol – Estreou-se em 2008 com 12 golos, 6 assistências e 2 MVPs em apenas 8 jogos; em 2009 fez o dobro dos jogos (16) mas marcou muito menos (4) e assistiu o mesmo número de vezes (6) e nunca mais foi MVP.
/
Portero – De elemento mais assíduo do ano anterior (29 jogos, falhando apenas 3) passou este ano a faltar a jogos e treinos em catadupa e sem dar cavaco à malta. Apenas fez 13 jogos, um quarto dos disputados pela equipa.

2008 – Serginho Guimarães
2007 – Bruno Leite
2006 – Marcos Calado
2005 – Jonny Ribeiro


OUTRAS DISTINÇÕES:

MAIS UTILIZADO(S) DO ANO
2009 – Tony (40 jogos em 51), Canhão (38), Domingues (36)
2008 – Portero (29 jogos em 32), Tony (28), Canhão (26)
2007 – Domingues (39 jogos em 47), Tony & Sá (37), Canhão & Pedro (33)
2006 – Domingues (39 jogos em 42), Arnaldo (38), Nuno (32)
2005 – Arnaldo (36 jogos em 38), Tony (34), Ricardo (29)


MELHOR(ES) MARCADOR(ES) DO ANO
2009 – Pedro (49), Cadu (16), Arnaldo (15)
2008 – Norberto (29), Canhão (20), Nunes & Tony (18)
2007 – Pedro (64), Domingues (33), Tony (22)
2006 – Arnaldo (54), Cadu (18), Domingues (16)
2005 – Arnaldo (41), Garcia 28), Ricardo (23)


MELHOR(ES) ASSISTENTE(S) DO ANO
2009 – Norberto (27), Pedro (23), Tony (14)
2008 – Nunes (23), Norberto (22), Cadu (20)
2007 – Pedro (38), Domingues (28), Norberto (22)
2006 – Arnaldo (29), Cadu (22), Norberto (17)
2005 – Arnaldo (28), Garcia & Ricardo (19)


MELHOR(ES) MÉDIA(S) DO ANO (mínimo 1/3 dos jogos disputados)
2009 – Pedro (7,44), Pascoal (6,96), Norberto (6,65)
2008 – Norberto (7,13), Domingues (6,92), Pedro (6,89)
2007 – Pedro (6,97), Norberto (6,85), Domingues (6,74)
2006 – Norberto (7,54), Pedro (7,38), Pascoal (7,33)
2005 – Litos (6,80), Pascoal (6,74), Garcia (6,59)


MAIS VEZES MELHOR EM CAMPO DO ANO
2009 – Pedro (11), Norberto (9), Pascoal (6)
2008 – Norberto (7), Cadu (4), Domingues (3)
2007 – Pedro (11), Domingues (7), Norberto (5)
2006 – Norberto (7), Arnaldo (6), Nunes & Domingues (4)
2005 – Arnaldo (7), Domingues (5), Nuno (4)



O Bayern fez 51 jogos este ano, num total de 210 no seu historial, um novo máximo anual.

33 Vitorias (incluindo 2 por falta de comparência L), 9 empates, 9 derrotas; 190 marcados, 97 sofridos
- CAMPEÃO, Melhor Marcador, Melhor Defesa
- TAÇA
- SUPERTAÇA
- FAIR PLAY (tudo na FutBaliense)

Treinadores:
Tózé 34 jogos (21v, 7e, 6d) 116gm, 47gs
Domingues 8 jogos (7v, 1d) 39gm, 19gs
Brito 6 jogos (3v, 2e, 1d) 22gm, 14gsCanhão 1 jogo (1d) 2gm, 4gs

Jogadores: 20 utilizados
Nuno, Tony, Arnaldo, Pascoal, Litos, Calado, Domingues, Canhão, Cadu, Nunes, Norberto, Correia, Pedro, Rocha, Serginho, Sá, Brito, Portero, Rouxinol e Bossio

Estreias: Paulo Bossio (24 Out. 3-3 Maritangus FC, Torneio Hom. ao Tózé)

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

A Preto e Branco

Bayern salta uma posição na tabela mas continua a 6 pontos da liderança

Um jogo de contrastes com os bávaros a alternarem entre um ataque colorido e profícuo e uma defesa cinzenta e permeável.





Liga SuperFutsal 2009/10 (8ª jornada)
18 de Dezembro de 2009, 23,00 horas

Black & White, 4
Bayern Monchique, 6


Jogo no Pavilhão Municipal de S. Pedro da Cova
Bayern M. – Calado; Brito (1), Nuno [cap.] (1) e Norberto; Pedro (3).
Jogaram ainda: Domingues (1), Arnaldo e Tony.
TR: Tozé Ribeiro

Ao intervalo: 3-3
Marcha do marcador: 0-1; 1-1; 1-2; 3-2; 3-5; 4-5; 4-6


Calado estreou-se na baliza bávara, posição que não lhe é estranha nos treinos do Bayern, pondo fim a uma ausência dos jogos oficiais de quase quatro anos, desde 2 de Janeiro de 2006(!). Um regresso que é na realidade o maior hiato registado entre todos os jogadores que já envergaram esta camisola. Uma aparição pontual de Calado para colmatar a ausência do habitual guardião, mas que não se saudou por muito positiva. Calado terá acusado alguma responsabilidade e acabou por não ser uma mais valia, nem sequer era isso que se lhe pedia, mas naqueles lances em que um guardião poderia brilhar, não conseguiu fazê-lo.
Seja como for o Bayern deu sempre a sensação que poderia superar qualquer contratempo neste jogo, inclusive o facto de começar com um cinco pouco comum e no qual poucos treinadores de bancada apostariam, fazendo coabitar três fixos e um ala. E essa sensação provinha da facilidade com que os bávaros chegavam à baliza contrária. O Bayern marcou aliás logo na jogada de saída e mesmo depois de sofrer o empate voltou no recomeço a conseguir marcar da mesmíssima forma.
A contrastar com o ataque que até parecia fácil, estava uma defesa desarrumada e cheia de buracos onde os alvi-negros conseguiam penetrar livremente e com à vontade suficiente para fazerem o 2º e 3º golos em pouco tempo.
Um novo empate não demorou muito mas a tremedeira na defensiva bávara só parou com a entrada de Domingues e Arnaldo e mais tarde de Tony, que trouxeram mais entrega ao jogo.

Na segunda parte o filme foi bem diferente. O Bayern continuou a marcar, com destaque para o inesperado (?) remate de Domingues mas o Black & White já não o conseguiu fazer com a mesma frequência. Os bávaros retiraram o tapete vermelho para a sua baliza e destacou-se bastante Oliveira, o guardião contrário, que defendeu quase tudo.
A fechar contagem e a sossegar as hostes de Monchique, numa altura em que os pretos e brancos tinham reduzido a diferença para apenas um golo, esteve Nuno que marcou o 6-4 após livre de Norberto. Minutos antes o capitão bávaro já havia de resto falhado incrivelmente junto ao segundo poste o golo que faria o 6-3.

Não foi o jogo nem o resultado que a SAD bávara desejaria para esta quadra natalícia. Quem antes duvidava que o Bayern terá capacidade para subir ao “nível seguinte” e partir para o ataque aos primeiros lugares no próximo ano… continuará na dúvida, já que a resposta da equipa não foi cabal, como se esperaria.


O filme dos golos ao minuto

0-1 (20s) Na jogada de saída Brito toca para Pedro e este dá para traz para Nuno. O capitão entrega em Norberto e este mete em Brito na frente que coloca ao segundo poste onde Pedro faz o golo.
1-1 (4m) Livre sobre a direita. Não entrou à primeira mas Ivo marca à segunda.
1-2 (5m) Fotocópia do 1º golo mas com alteração nos protagonistas. Desta feita é Pedro a assistir Brito.
2-2 (6m) Uma boa triangulação com Ivo a aparecer sozinho na área e a bater o redes.
3-2 (9m) Brito falha um passe originando um contra ataque de 2 para 1. Calado hesita na saída mas ainda toca a bola após o remate de Coimbra, só que a bola acaba por ir na mesma para dentro da baliza.
3-3 (13m) Passe de Domingues e conclusão de Pedro.

3-4 (25m) Norberto recebe e roda na posição de pivot. Domingues acorre ao lance e apanhando a bola à sua disposição arranca um remate de bico fazendo a bola entrar junto à barra superior da baliza.
3-5 (30m) Norberto finta para a esquerda, vai à linha e cruza para Pedro marcar à boca da baliza.
4-5 (35m) Contra ataque de dois para um e depois dois para zero com Hugo Madaleno a finalizar, sem hipóteses para o desamparado Calado.
4-6 (38m) Livre quase junto à linha de fundo do lado esquerdo. Norberto assiste inteligentemente Nuno ao segundo poste e este fecha o resultado.



A Estrela
Pedro Sousa – nota 8

O Mister pediu e Pedro “deu o passo em frente”. Não foi aquela exibição de encher o olho mas os 3 golos marcados a juntar ainda a uma assistência foram importantíssimos para a vitória e marcaram o regresso da veia goleadora.


Os outros bávaros
Calado – 5
Nuno, Brito, Domingues, Arnaldo e Tony – 6
Norberto – 7



Monte Aventino distancia-se e vai “passar o Natal... à Lua”

Foi a ultima jornada do ano, na semana anterior ao Natal. Nesta época é costume as pessoas irem “passar o Natal à terra” mas na LSF quem fica na Terra é o Vai Avante, Real, S. Vicente, Bayern e Sol Nascente, já que a equipa que comanda a Liga, o G.D. Monte Aventino, agora com quatro pontos de avanço, parecem ser de “outro mundo”.
É a única equipa que ainda não perdeu qualquer jogo. Com apenas um empate no seu portfolio quase impecável, curiosamente contra a equipa Black & White, os seus responsáveis andarão por esta altura na lua. Apesar de crentes no valor da equipa, por certo não contariam estar com semelhante avanço no topo da liga.
Nesta jornada viram o seu avanço pontual alargar-se já que o Real Portvscale tropeçou em casa contra os actuais campeões.
O outro beneficiado desta jornada é mesmo o Bayern Monchique que salta uma posição para o 5º lugar, após a derrota do Sol Nascente com o S. Vicente.



Resultados (8ª jornada):
Parceiros 0-0 TRFL United
Real Portvscale 2-3 Vai Avante
Juventude 0-3 União
Sol Nascente 0-4 S. Vicente
Matosinhos 1-5 Monte Aventino


Próxima jornada (de 4 a 9 Jan.):
4 (22:00) Vai Avante – Parceiros
6 (22:30) Bayern – Matosinhos
8 (21:00) União – Black & White
8 (23:00) S. Vicente – Real
9 (23:00) Monte Aventino – Sol Nascente

O jogo grande é sem dúvida o confronto entre S. Vicente e Real Portvscale. Na época passada o real venceu em casa do rival mas este ano a história poderá ser diferente. Um jogo de tripla para acompanhar em directo em S. pedro da Cova, ou com o rádio colado à orelha.

O primeiro jogo da jornada leva Os Parceiros a casa do Vai Avante. Os Parceiros a debaterem-se com algumas ausências por lesão e com 3 jogadores castigados, incluindo o seu goleador Serginho e o capitão e organizador de jogo Fernando Jorge, deverão assim ser presas fáceis para os actuais campeões. Goleada em perspectiva?!?!

O Bayern recebe em casa o antepenúltimo classificado e só terá de confirmar o seu favoritismo, embora a tarefa possa não ser tão fácil quanto isso, já que os Matosinhenses têm dado sinais de recuperação e deverão ver o plantel reforçado nesta reabertura de mercado, nomeadamente no sector que mais doresde cabeça tem dado, a baliza.

A União recebe em Esmoriz o Black & White, em jogo de “aflitos” que deverá ser muito equilibrado.

Para o fim da jornada os líderes recebem o Sol Nascente num jogo de tripla mas com ascendente nas apostas para os da casa. Será que os “putos” do Sol Nascente conseguirão sacar pontos e quiçá uma vitória em casa dos “tigres”?



O fim da primeira volta ainda trará muito calor às quadras!

Depois desta haverão ainda mais duas jornadas até se completar a primeira volta a 30 de Janeiro com um grande Monte Aventino vs. Bayern Monchique a fechar esse ciclo em grande estilo.
Destaque ainda para os jogos Real Portvscale vs. Monte Aventino a 11 de Janeiro e Sol Nascente vs. Bayern Monchique a 16, para a 10ª jornada.
E na última jornada um Sol Nascente vs. Vai Avante a 29 de Janeiro, com influência directa na classificação do pelotão da frente.

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Estrelinha de Campeão!



Liga SuperFutsal 2009/10 (5ª jornada)
30 de Novembro de 2009, 22,00 horas

A. Vai Avante, 2
Bayern Monchique, 1


Jogo no Pavilhão Municipal de S. Pedro da Cova
Bayern M. – Rui Sá; Norberto (1), Nuno [cap.] e Domingues; Arnaldo.
Jogaram ainda: Cadu, Rouxinol e Tony.
TR: Tozé Ribeiro

Ao intervalo: 1-1
Marcha do marcador: 1-0; 1-1; 2-1


Vitória “escorregou” para a equipa que foi mais feliz

Com dificuldades evidentes de aderência ao piso, os bávaros tiveram grandes problemas em explanar o seu jogo e quando tudo parecia apontar para um empate, que até seria justo, pese embora um penalty não assinalado contra o Vai Avante, os bávaros “levantaram a guarda” permitindo um golo em remate do meio campo. É caso para dizer que assim até fica fácil para o “bandido”…


O jogo ainda mal tinha aquecido quando os campeões chegaram ao golo. Uma jogada típica num canto do Vai Avante com o capitão a tentar meter a bola ao segundo poste. Nuno desvia com a cabeça mas a bola sobra para o mesmo jogador marcar. A partida foi no entanto sempre muito equilibrada, com mais luta e menos jogo. A bola rodava pouco e o maior desafio dos bávaros era mesmo o de manter o equilíbrio. Do lado contrário, uma equipa muito mais habituada ao piso, mas nem por isso conseguia criar grandes lances de perigo.
Até ao intervalo os bávaros lograram conseguir o empate.

Na segunda parte o jogo manteve a mesma toada mas o Bayern conseguiu acercar-se da baliza contrária com mais perigo. Numa primeira ocasião foi o poste a travar o remate de Norberto e mais tarde foi a mão de um defesa que impediu o golo. O lance infelizmente passou impune alegando a equipa de arbitragem que o jogador… “apenas protegeu a cara”!?!?!?!?

Como um mal nunca vem só, não só o Bayern deixou de fazer o golo da hipotética vitória, como ainda viu nos minutos finais um remate de muito longe, passar pelo defesa e entrar directo na baliza, sem que Rui Sá lhe conseguisse tocar. Isto numa altura em que ainda a tentar forçar a vitória, os bávaros já não esperavam que pelo menos aquele ponto fugisse…



O filme dos golos

1-0 Canto para os visitados apontado como habitualmente quando se trata do lado esquerdo para trás, para o centro/remate colocado ao 2º poste de Mário Machado. Nuno trava o remate com uma cabeçada quase à queima-roupa mas a bola sobra na mesma para Mário Machado que remata então para o golo.
1-1 Ataque pela direita com Arnaldo a deixar para Norberto na zona frontal e este a colocar de pé esquerdo junto ao poste.

2-1 Remate de muito longe de Mário Machado, encostado à linha esquerda logo após a linha central. Nuno que estava a defender Machado tapa a visão de Sá que ainda estica uma perna mas não consegue evitar o golo, ficando a sensação de ser mal batido, até porque a bola entra junto ao “primeiro” poste.


A Estrela
Norberto – nota 8

Não foi um jogo particularmente feliz para nenhum dos bávaros, mas ainda assim Norberto deu nas vistas como habitualmente na condução do jogo e como autor do único golo bávaro.


Os outros bávaros
Domingues e Tony – 5
Rui Sá, Nuno, Arnaldo e Rouxinol – 6
Cadu – 7




Monte Aventino vence em S. Pedro da Cova e mantém concorrência à distância

No jogo grande da jornada o Monte Aventino surpreendeu (?!?!) arrancando uma vitória por 3-1 em S. Pedro da Cova contra o S. Vicente. A surpresa é sempre relativa mas o certo é que foi o pior resultado possível para o pelotão de perseguição ao primeiro lugar e pior ainda para o S. Vicente que junto com o Bayern Monchique foram os grandes perdedores da jornada.
Com este resultado ganhou também o Real Portvscale que agora está mais só na perseguição ao líder. Real que tinha vida facilitada esta jornada, defrontando o Juventude da cauda da tabela e vencendo por meros 3-0.



Resultados:
Juventude 0-3 Real Portvscale
União 2-3 Sol Nascente
Black & White 6-1 Os Parceiros
S. Vicente 1-3 Monte Aventino
TRFL United 1-2 Matosinhos

Na próxima jornada (de 14 a 19 Dezembro) teremos mais dois jogos “gordos” com peso elevado na “organização” do topo da classificação. Real recebe Vai Avante e S. Vicente desloca-se a casa do Sol Nascente.

sábado, 12 de dezembro de 2009

Bayern massacra....á mesa.


Ontem (11 de Dezembro) o Bayern teve o seu jantar de natal, o evento começou ás 21h e logo desde o início o BM apresentou um jogo muito forte e difícil de parar.

Nunca o Bayern esteve a tão alto nível, os 8 atletas que se apresentaram ao serviço, não decepcionaram e logo desde o início dominaram em todos os aspectos não deixando dúvidas de que esta noite seria do BM.

A Direcção agradece a presença dos atletas e pede a quem tenha fotos/vídeos do evento que os apague pois certamente estão com baixa qualidade.

Notas:

Rui Sá – nota 10 – A estrela

Imparável, nunca o vimos assim, dominou em todos os aspectos, que jogão!

Cadu – nota 10

Está numa forma física invejável, não parou um minuto, Os adversarios ainda devem estar com a cabeça á roda.

Tony – nota 10

Melhor jogo de sempre do Presidente, pode-se contar com ele para os jogos difíceis que ainda há para fazer.

Brito - Nota 9

Fez um jogo inteligente, como viu os seus colegas em grande forma deixou o protagonismo para eles e controlou os movimentos dos adversários.

Outras notas

Pascoal – 8
Pedro - 8
Canhão – 8
Mingues – 8

Curta da noite “ Eu acho que te conheço da Sport Zone”

segunda-feira, 30 de novembro de 2009

“Santos da casa” também fazem milagres… e asneira da grossa!

Liga SuperFutsal 2009/10 (6ª jornada)
25 de Novembro de 2009, 22,30 horas

Bayern Monchique, 3
A. A. S. Vicente, 3


Jogo no Pavilhão da Académica de S. Mamede
Bayern M. – Rui Sá; Pedro, Nuno [cap.] e Domingues; Arnaldo.
Jogaram ainda: Brito (2), Cadu, Tony (1) e Norberto.
TR: Tozé Ribeiro

Ao intervalo: 1-2
Marcha do marcador: 0-2; 3-2; 3-3

Aos 10 minutos já poucos esperariam uma reviravolta

A equipa do São Vicente teve um início de jogo avassalador. Uma entrada com tudo que deixou os bávaros sem conseguir respirar e sem segurar a bola. Quem viu os primeiros 10 minutos e já com uma vantagem de duas bolas dificilmente poderia acreditar no pequeno “milagre” que os visitados haveriam de conseguir mas… também não é fácil de “engolir” aquele golo do empate nos últimos segundos.

Na sua totalidade foi um jogo de loucos onde não faltou a emoção, vários golos, incluindo de “letra” e de cabeça e onde o domínio de jogo foi nitidamente repartido em dois períodos. Começou melhor o S. Vicente. Muito melhor aliás, com uma pressão muito forte e sempre a jogar no meio campo ofensivo. Os bávaros não conseguiam segurar o jogo e a bola “fugia”…
Os homens de S. Pedro da Cova mais pareciam “dopados”. “Doping motivacional” entenda-se pois o Bayern Monchique já granjeou alguma fama por estas bandas, por isso não seria de admirar toda esta garra e consequente determinação em cada lance disputado. Felizmente os bávaros iam defendendo mais ou menos bem. Apesar de completamente manietados nos primeiros minutos, só após um erro clamoroso do guardião bávaro é que os Vicentinos chegaram à vantagem, corria o minuto sete.
Claro que a vantagem era justa, tal o domínio exercido e não se estranhou que dois minutos depois chegasse o segundo golo em jogada de contra ataque.
Após o 2-0 e com 10 minutos já jogados o ritmo abrandou. Não poderia continuar para sempre aquela velocidade. O Bayern começou então a equilibrar a partida mas ainda assim era só Pedro quem chegava ao meio campo contrário com bola e mesmo esse estava quase sempre desacompanhado.
Só perto do final da primeira parte é que o Bayern logrou chegar com perigo à baliza contrária. Em três lances poderia ter chegado ao golo, sempre com Tony como protagonista mas este desperdiçaria duas oportunidades de pé esquerdo. Só à terceira é que fez golo e teve de ser… de cabeça.

Na segunda parte, já com Norberto em campo o jogo transfigurou-se completamente. Os baváros tomaram mais conta da partida com muito mais posse de bola e uma defesa incisiva. Brito fez o golo do empate a meio da segunda parte e o terceiro golo haveria de aparecer, com calma e com tempo como queria Tozé e a verdade é que as coisas dificilmente poderiam sair melhores. Os golos entraram na altura certa. O 3-2 aconteceu quando faltavam dois minutos para o fim e Brito tornava-se o herói do jogo, mas quis a sorte ou o azar (ou a desconcentração de um jogador que praticamente no ultimo segundo o jogo voltasse à estaca zero, o mesmo é dizer que voltasse a ficar empatado, em mais um erro de palmatória dos bávaros que voltaram a “dar o ouro ao bandido”. Brito perdeu a bola e mesmo quando tentou travar em falta o adversário, agarrando-o, até aí teve azar pois escorregou e deixou-o fugir…

O empate acaba por ser o resultado mais justo, já que se o Bayern dominou por completo a segunda parte, não é menos verdade que o S. Vicente fez o mesmo na primeira. Certo é que os bávaros voltaram a dar (2) golos ao adversário e quando assim é, o empate até é um mal menor.


O filme dos golos

0-1 Desatenção de Rui Sá que para evitar que uma bola saia pela linha lateral, puxa-a para a área. Com o gesto perde a noção do espaço acabando por isolar Vigário. Nuno ainda tenta fazer barreira mas Vigário marca mesmo… de letra.
0-2 Contra ataque de 3-1 após perda de bola no ataque. Vigário volta a marcar.
1-2 Pedro conduz pelo meio em jogada de 3-2. Entrega em Cadu na esquerda e este “cruza” de imediato ao segundo poste. A bola sai a meia altura fazendo com que Tony tenha de se encolher para marcar de cabeça.

2-2 Livre à entrada da área a castigar falta sobre Pedro. A barreira é posicionada e Norberto prepara-se para bater. Domingues vai do poste esquerdo para o direito, levando consigo o seu marcador. Brito sai então da zona frontal e desloca-se para o lado esquerdo. Nenhum defesa o acompanha e Norberto facilmente lhe mete a bola no sítio que Domingues deixara “desabitado”. Brito não teve então dificuldades em marcar.
3-2 Jogada de Pedro que passa a Norberto e este assiste Brito já em plena área para aquele que deveria ser o golo da vitória.
3-3 O árbitro da mesa já tinha o apito na boca quando Pedro se preparava para marcar um lançamento. A bola vem para Norberto e este passa a Brito do outro lado. Brito segura e tenta um passe mas este sai mal e o adversário rouba-lhe a bola. Brito ainda o tentou agarrar mas o Póvoas arranca forte como um touro e à saída de Rui Sá mete-lhe a bola pelo lado, fazendo um belo golo que valeu um ponto.



A Estrela
Mário Brito – nota 8

Fez um jogo espectacular quer a defender quer a atacar. Dos melhores que já o vimos fazer com a camisola do Bayern. Roubou bolas atrás de bolas e marcou dois golos. Primeiro o que empatou a partida a passe de Norberto e depois o que colocou a equipa a vencer já no último minuto da contenda. Pena foi que na última vez que tocou na bola, perdeu-a para um adversário que haveria de sentenciar o resultado. Até aí a sua exibição tinha sido quase perfeita…

Os outros bávaros

Rui Sá – 5
Nuno, Arnaldo, Cadu e Tony – 6
Pedro, Domingues e Norberto – 7



Monte Aventino na frente do comboiinho

Nesta jornada tudo se “complicou”. O pelotão da frente mais se assemelha a um comboiinho, pela forma como as equipas se dispõe na tabela, diferenciadas por apenas um ponto entre si. Na frente, “puxando as outras carruagens”, contínua o “Monte Aventino”, tendo na sua peugada 5 equipas à distância de 1, 2, 3, e duas a 4 pontos.
Ainda falta disputar um jogo para se completar esta sexta jornada, mas já começa a aparecer um fosso pontual, entre as 6 equipas da frente e as 6 de baixo…


Outros resultados:
Os Parceiros – Juventude FC (adiado para 30 Novembro)
Real Portvscale 6-0 União FC
Sol Nascente 6-4 TRFL United
FC Matosinhos 2-4 Vai Avante
Monte Aventino 2-2 Black & White


Atenções centradas em S. Pedro da Cova

A liga está mais quente que nunca e na próxima jornada defrontam-se S. Vicente e Monte Aventino (sexta, dia 4), num duelo de titãs que deixará pelo menos um deles mais atrasado. Em outro jogo grande também no Municipal de S. Pedro da Cova, mas já esta segunda, põe em luta os campeões Vai Avante com o Bayern Monchique.
Espera-se por isso mais uma reviravolta (ou não…) no topo da classificação e S. Pedro da Cova será esta semana a "capital" da Liga SuperFutsal.

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

Já vimos este filme!

Taça SuperFutsal 2009/10 (2ª jornada- Grupo B)
18 de Novembro de 2009, 22,30 horas

Bayern Monchique, 5
Juventude FC, 1


Jogo no Pavilhão da Académica em S. Mamede

Bayern M. – Rui Sá; Brito, Norberto (2) e Tony [cap.]; Canhão.
Jogaram ainda: Pedro (1), Domingues e Cadu (2).
TR: Tozé Ribeiro

Ao intervalo: 3-1
Marcha do marcador: 3-0; 3-1; 5-1.

Descontracção a mais impede que se alcance uma verdadeira goleada…

O jogo acabou por ser muito semelhante ao da primeira jornada da liga. Os bávaros demoraram a marcar mas assim que o primeiro golo entrou o resultado com alguma facilidade se avolumou. Depois, faltou algum pragmatismo e também um pouco de sorte para concretizar a chuva de oportunidades da 2ª parte. Será suficiente para ficar em primeiro no grupo? Temos de esperar para saber…


Tozé surpreendeu com Pedro no banco e o jogo foi muito equilibrado até à entrada deste em campo. A partir daí as coisas mudaram e o Bayern conseguiu de rajada chegar aos 3-0. Depois Carlos Silva reduziu em boa iniciativa individual, ele que já havia mandado um remate ao poste num chuto em jeito.

Ao intervalo (altura em que Brito se despediu dos colegas e teve de sair...) era portanto já evidente que a vitória não deveria fugir aos bávaros.
A grande questão era mesmo saber quantos golos mais conseguiria o Bayern marcar. Acabou por não marcar muitos mais. Apenas 2 golos no meio de mãos cheias de oportunidades. A equipa demonstrou alguma displicência na hora dos remates e a juntar a isto também os guardiões contrários (foram 2) estavam particularmente inspirados quando não era com as mãos… defendiam com as costas.

5-1 foi o resultado final, num jogo bem arbitrado, mas o factor goal average nem sequer é o mais importante pois em caso de vitória do Real Portvscale na última jornada do grupo, a decisão sobre o primeiro lugar é feita pela tabela fair Play e depois pela classificação da arbitragem. Só depois, se necessário, pelo goal average.
Neste momento o Bayern tem 9 pontos. Já o Real tem apenas 4 mas ainda lhe falta disputar um jogo, devendo esse valor subir.
Para todos os efeitos o Bayern já está apurado faltando só saber em que posição.
Recordamos que o primeiro lugar do grupo tem a vantagem de fazer 2 jogos em casa na fase seguinte e apenas 1 fora.


O filme dos golos ao minuto

1-0 11m Pedro rouba a bola no meio campo, mete para Norberto e este marca o primeiro.
2-0 12m Norberto rouba no meio campo e assiste Pedro que marca.
3-0 14m Triangulação com Norberto, Pedro e Cadu e a finalização do ultimo.
3-1 18m Carlos Silva escapa-se pela esquerda e remata rasteiro à saída do guardião. A bola entra junto ao poste mais distante.

4-1 24m Recuperação de Norberto no ataque. Entra na área do meio para a esquerda, contemporizando sempre enquanto ameaça o remate, até encontrar o espaço para meter em Cadu ao 2º poste.
5-1 34m Passe de Pedro para Norberto que flecte para o meio e fuzila de pé esquerdo.



A Estrela

Norberto Sousa – nota 7

O costume. Mais dois golos e duas assistências e uma cada vez mais visível frescura física. Fez o jogo todo sempre ao mesmo ritmo e o vigor é tanto que até deu para “brincar” um bocadinho…


Os outros bávaros

Todos nota 6.

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Entrada de tigre “desfez” a União!

Liga SuperFutsal 2009/10 (5ª jornada)
13 de Novembro de 2009, 21,00 horas

União FC, 1
Bayern Monchique, 3

Jogo no Pavilhão da Escola Secundária de Esmoriz
Bayern M. – Rui Sá; Domingues, Norberto (1) e Pedro; Arnaldo (1).
Jogaram ainda: Brito (1), Canhão, Cadu, Nuno [cap.] e Tony.
TR: Tozé Ribeiro

Ao intervalo: 0-2
Marcha do marcador: 0-2; 1-2; 1-3
Os bávaros entraram muito fortes e cedo chegaram à vantagem. Não fosse até pela pouca eficácia e o jogo poderia ter ficado logo resolvido nos primeiros 10 minutos. Como não ficou o Bayern ainda teve de aguentar a pressão da União no início da segunda parte e as coisas podiam mesmo ter-se complicado aquando do 1-2, mas Brito restabeleceu a vantagem de dois golos com um “bico” certeiro.

http://www.youtube.com/watch?v=aclJxwT60GQ

O jogo teve dois momentos particulares que destaco. Um a abrir e o outro a fechar. A abrir o facto de Arnaldo repetir a titularidade do jogo anterior. O goleador (já leva 5 em 5 jogos) correspondeu com a marcação do golo madrugador. A fechar o jogo, o registo muito raro, do artilheiro Pedro não ter feito qualquer golo, algo que já não acontecia desde a Supertaça Futbaliense. De resto nos últimos 20 jogos é apenas a segunda vez que Pedro fica em branco sendo que no total desses 20 jogos, apontou 45 (!) golos.
O Bayern entrou muito forte e a união pouco conseguiu fazer para suster a garra dos tigres bávaros. Antes de se completar 2 minutos de jogo já o Bayern vencia e o segundo golo não demorou muito mais a aparecer. O grande obstáculo dos bávaros nesta altura era mesmo a falta de pontaria. Pedro chegou a mandar um grande remate à barra…

A meio da primeira parte vieram as substituições e com elas algum afrouxar do ritmo do jogo. Até final da primeira parte nada mais houve de especial a registar, excepto pelo facto de Tozé ter feito alinhar 11 atletas, o que não é nada habitual no Bayern, cujas convocatórias contemplam habitualmente apenas 8 ou 9 atletas.


A segunda parte foi bem diferente, isto apesar do Bayern ter entrado com o mesmo cinco que iniciara a partida. Os jogadores eram os mesmos mas a dinâmica foi totalmente diferente. Menos troca de bola e mais jogadas individuais com Pedro a “evidenciar-se” nesse aspecto, agarrando-se muito à bola e optando demasiadas vezes, mais que as aconselhadas, à bola.
A União também teve obviamente “responsabilidades” no equilibrar de forças. Foi no início da segunda parte, uma equipa muito mais… “unida” e ligada entre sectores, jogando os primeiros minutos muito em cima do meio campo bávaro.
Como consequência conseguiu a União chegar ao golo, logo aos 4 minutos.
Rui Sá que ao intervalo pedira ao treinador para “tirar a equipa C” foi obrigado a engolir as palavras e disso fez questão Brito de lembrar no banco. Mais gozo lhe deve ter dado ainda quando após reentrar em campo foi mesmo o Brito quem marcou o terceiro golo num remate espectacular.
Até ao fim o jogo foi repartido com a União a tentar pressionar logo à saída da bola e com os bávaros a apostarem num jogo mais directo para o pivot.
No último minuto Tony falhou o desvio à boca da baliza, após jogada individual de Pedro que foi até à linha e centrou. Seria o 1-4 e daria mais justiça ao resultado.
A arbitragem esteve bem num jogo que os jogadores tornaram o seu trabalho muito fácil.



O filme dos golos ao minuto

1-0 2m Pedro progride pela esquerda e com uma finta de corpo ganha vantagem sobre o seu adversário. O defesa que acompanha o pivot sai então ao seu caminho deixando Arnaldo sozinho no coração da área. Pedro mete a bola por entre as pernas do defesa e Arnaldo só teve de encostar.
2-0 5m Lançamento lateral. Norberto recebe e passa a Arnaldo. Este, na posição de pivot devolve a Norberto que remata então na passada.

2-1 24m Muito espaço na zona frontal com Magalhães a percorrer alguns metros e a rematar já em esforço e em queda pese a oposição de Domingues e a saída de Sá.
3-0 30m Brito recebe a bola de Norberto e aplica um bico potente, desde o meio da rua. A bola entra no ângulo superior mais próximo sem que o redes tenha tido tempo de lhe meter as mãos.



A Estrela
Norberto Sousa – nota 8

Uma assistência e um golo e a habitual preponderância no ataque (e defesa) dos bávaros.


Os outros bávaros

Nuno e Tony – 5
Pedro, Canhão e Cadu - 6
Rui Sá, Domingues, Arnaldo e Brito – 7
Monte Aventino continua na liderança!
No último jogo da jornada (no sábado) o Grupo Dramático Monte Aventino levou de vencida o TRFL United, e o “drama” esteve mesmo presente já que a perder por 2-1, só muito perto do final conseguiu virar o resultado. No início da jornada (segunda-feira) teve lugar o jogo mais importante da jornada com os campeões Vai Avante a receberem os rivais S. Vicente, num derby de S. Pedro da Cova que sorriu desta vez aos visitantes.


Resultados:
A. Vai Avante 0-3 S. Vicente
Os Parceiros 2-5 Sol Nascente
Juventude 2-6 Matosinhos
Black & White 2-3 Real Portvscale
TRFL United 2-3 Monte Aventino

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

A Estreia de Bossio...


Bayern Monchique, 3
Maritangus, 3

A crónica que faltava


Bem com quase um mês de atraso, a crónica de mais um empate no Torneio do Júlio, desta feita, diante do Maritangus, equipa que, ao longo dos anos, tem cultivado connosco uma relação de respeito e admiração, serve apenas para os registos não se perderem no tempo e o nosso presidente, António, apontar todos os dados para a estatísticas.
Nesse longínquo encontro de 24 de Outubro, o Bayern repetiu os erros que teimou em cometer nesta última edição do Torneio Júlio Gargantola. O início até foi promissor, com golo de Cadu, em remate cruzado, mas, depois, o adversário deu a volta, em situações de contra-ataque (acho).
Ah! O grande destaque neste jogo ia mesmo para a estreia de Paulo Bossio, que, aos 41 anos, aceitou abraçar mais um desafio na sua brilhante carreira, calçando as luvas bávaras. Esteve em plano de destaque, com boas intervenções quando os adversários lhe surgiam isolados pela frente.
Já na segunda parte, o Bayern empatou na jogada de saída, com Cadu e Arnaldo a pressionaram o último portador da bola, tendo o primeiro rematado com êxito. Com 2-2 e uma segunda parte inteira para se jogar, o Bayern manteve aquele jogo de rua, de atacar, atacar e pouco se preocupar em defender. Por isso, levou o 2-3 e só um remate feliz de Mingues evitou o pior, com a bola a entrar entre o poste e o guarda-redes improvisado do adversário, o capitão Rui.
O Bayern alinhou com: Bossio; Pascoal, Mingues, Cadu e Arnaldo. Jogaram ainda Brito e... Canhão (?).

Notas
Bossio e Cadu – 7. Cadu MVP.
Outros - 6

P.S: Presumo que tenham reparado na foto. Foi uma forma de homenagear o nosso mais recente e promissor reforço: Paulo Manuel Tavares Costa - BOSSIO! Esta é para ti! Desculpa António, mas o artigo também já vem com tanto atraso que algo tinha de ser feito para salvar o texto :)

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

FALHANÇO!


Acabou há duas semanas o Torneio Homenagem a Tozé Ribeiro e o Bayern nem sequer jogou, já que o seu adversário, os Laranjinhas, não apareceu. A vitória (por 3-0) acaba por confirmar um pobre quarto lugar, mas para os adeptos que se deslocaram ao pavilhão ficou ainda mais esse amargo de não ter visto a equipa a jogar. Para o Wilson (na foto) foi menos mau porque deu para dar uns chutos na bola já que as balizas estavam livres...
Brito não convenceu!
Brito parece dizer que 4º ou 5º tanto faz
A campanha do Bayern não convenceu e o seu técnico Mário Brito também não, quedando-se pela quarta posição, a mais baixa de sempre nesta competição.
Mais baixa inclusive do que as conseguidas pelas equipas de Nuno Silva em 2008 e de Vítor Coutinho aquando da primeira participação bávara em 2006, em que ambos apenas conseguiram também o quarto lugar, mas com a diferença de se tratarem de ligas com 10 equipas, sendo que desta vez eram apenas 9.

Ao que o blog do BM apurou, a porta de saída será mesmo o caminho mais certo para alguém a quem apenas se pedia um lugar no pódio.
Ainda não existe uma comunicação oficial, talvez por a equipa e a direcção estarem concentradas nesta fase inicial da Liga Superfutsal, mas os mais atentos não deixarão de estranhar que o (ex-técnico?) Mário Brito, também ele atleta da equipa, tenha sido afastado das ultimas convocatórias para a LSF… o que no mínimo será uma coincidência muito grande.

Em declarações ao blog do clube, quiçá prevendo já o seu futuro, o jovem técnico que até faltou ao último jogo (que acabaria por não se disputar por falta de comparência do adversário) explicou as razões do insucesso:
“Se for despedido por justa causa vou aceitar… mas não me podiam pedir para fazer omeletas sem ovos! Tive muito limitado em termos de opções… especialmente na baliza e na frente…”

Sem ponta por lhe pegar portanto, opinião facilmente corroborada por dois ou três factos indesmentíveis:
- Em 7 jogos foram utilizados 6(!!!) guarda redes diferentes. Rui Sá, Portero, Domingues, Tony, Pascoal e Bossio. Destes apenas um, Tony, que nunca foi guarda-redes na vida, fez mais que um jogo na baliza.
- Ainda assim os guarda-redes foram quase sempre dos melhores em campo.
- O melhor marcador da equipa foi Cadu com a marca mais baixa de sempre para um goleador neste torneio (apenas 6 golos).


Ouro para Cadu!
Mesmo dentro de campo, pode-se dizer que a participação de Brito esteve abaixo das expectativas. Ele que vinha de duas boas campanhas, arrecadando os galardões de “Bávaro de Prata” no anterior torneio do Júlio e no torneio da Académica, mas desta vez não chegou lá…

Cadu é o Bávaro de Ouro desta edição do torneio, beneficiando de 14 pontos em 18 possíveis, sendo que “leva” este galardão pela primeira vez. Ele que já havia sido “Prata” por duas vezes e “Bronze” por três, vê finalmente reconhecida toda a sua qualidade. Todos os colegas o mencionaram nos seus votos.

A Prata fica com Arnaldo, um dos consagrados destes troféus (4 Ouro, 1 Prata e 1 Bronze). É a segunda prata para Arnaldo que já via o troféu fugir desde 2006.

Por fim o Bronze, para Domingues, também ele um habitué nestas nomeações, que teve a mesma pontuação de Arnaldo (10 pontos), mas com pior média por jogo do que este (6 contra 6,14). É já o 9º troféu para Domingues (3 Ouro, 4 Prata e 2 Bronze), o que faz dele o bávaro mais “consagrado” de todos. Norberto por exemplo “só” tem 7 destes prémios, se bem que neste caso sejam todos de ouro. :)

Os outros atletas votados foram Brito (6 pontos) e Tony (3).

Pascoal não deverá ficar muito satisfeito com esta votação, ele que ainda sonha com a perda de um torneio naquele jogo contra os policias, em que o Cadu não apareceu...

O futuro tem... 41 anos (!?!?)

A direcção bávara já decidiu que não entrará na próxima edição. O clube não foi tratado com a deferência que merecia e como tal decidiu-se que seria a altura ideal para fazer uma pausa, ao fim de 10 participações consecutivas. Vamos com certeza ter saudades do torneio do Júlio e dos bons momentos que aqui passamos mas seguramente será o próprio Júlio a sentir mais a nossa falta.
Ultimamente eram cada vez menos os momentos bons e mais as faltas de comparência que nos penalizaram (monetariamente e não só…), para não se falar noutros aspectos…

Mas nem tudo foi mau neste torneio. A baliza bávara sofreu neste torneio grandes convulsões mas por fim lá apareceu um guardião que poderá estar intimamente ligado ao futuro bávaro. Paulo, de 41 anos, mais conhecido como “Bossio” é forte hipótese a médio prazo para rivalizar com Rui Sá na baliza do Bayern. O futuro o dirá…

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Um bolo e dois “brindes”!

No 5º aniversário os bávaros só apagaram 3 “velas”

A noite era de festa mas antes disso havia um jogo para ganhar. Contra uma equipa muito raçuda e combativa os bávaros cumpriram com a sua obrigação, vencendo de forma justa apesar de na primeira parte terem mostrado pouco...
Liga SuperFutsal 2009/10 (4ª jornada)
4 de Novembro de 2009, 22,30 horas

Bayern Monchique, 3
TRFL United, 0

Jogo no Pavilhão da Académica de S. Mamede
Bayern M. – Rui Sá; Tony, Nuno [cap.] e Domingues; Arnaldo (1).
Jogaram ainda: Norberto, Pedro (2) e Canhão.
TR: Tozé Ribeiro

Ao intervalo: 1-0


Arnaldo volta à equipa titular 15 jogos depois

Para a equipa inicial Tozé quis premiar os atletas mais antigos. Assim, Nuno, Tony, Arnaldo e Domingues foram os jogadores de campo escolhidos para iniciar a partida. No total eram já 534 jogos a defender o emblema do tigre nas pernas destes quatro homens. A estes juntou-se Rui Sá na baliza perfazendo um cinco inicial muito experiente e com uma média de idades a rondar os 32 anos.
Neste “grupo”, o atleta mais “jovem” e porventura o mais surpreso com a titularidade era Arnaldo que há muito se via afastado das opções do técnico para o cinco inicial. Habituado nos primeiros anos de Bayern a ser a figura central da equipa, o artilheiro bávaro vinha nos últimos tempos a conviver com uma situação de “afastamento” associado a uma aparente falta de confiança nas suas capacidades por parte de quem orienta a equipa.
Desde que Tozé voltou a pegar na equipa em Novembro do ano transacto que Arnaldo não mais foi titular. É certo que os compromissos profissionais de Arnaldo o impediram quase sempre de ajudar a equipa na Liga Futbaliense, mas mesmo quando estava apto, nunca foi opção para jogar de início.
A contrastar com esta situação já Mário Brito pareceu sempre depositar grande confiança no jogador, dando-lhe a titularidade em 3 dos 6 jogos em que orientou a equipa. Arnaldo lá foi respondendo com golos (5), a equipa nunca perdeu nesse período quando ele foi titular e é neste momento um dos grandes candidatos a ser um dos “Bávaros de Honra” desse torneio.
Na realidade foram 14 jogos em que Arnaldo viu sucessivos pontapés de saída sentado no banco e em 4 jogos seguidos nem sequer foi opção para jogar, levando o público, que sempre acreditou nele, a questionar se jogador e técnico andariam de costas voltadas.


Troca de “galhardetes”

Antes mesmo do jogo começar assistiu-se a um momento muito bonito, com os capitães de equipa a fazerem uma troca de cachecóis dos respectivos clubes. Um gesto bonito, cheio de fair Play que havia de perdurar pelo jogo.
A equipa do Tarrafal, 6ª classificada da época passada é uma equipa dura e muito combativa, que não deixa jogar, mas que só se preocupa em jogar a bolae assume o jogo pelo jogo.
Inicialmente houve uma fase de estudo, com muito respeito de parte a parte. O Bayern trocava a bola mas não conseguia chegar com perigo à área contrária, o mesmo acontecendo com o adversário que só de longe incomodava Rui Sá. Acabaram por ser os irmãos Sousa a conseguirem fazer andar o marcador numa jogada própria de quem se conhece bem, já a primeira parte ía bem avançada.

Na segunda parte as oportunidades de golo forma em maior quantidade e qualidade. Os bávaros passaram a chegar com mais facilidade à área contrária, coisa que não aconteceu muito na primeira parte e chegaram a falhar golos quase de baliza aberta, por Norberto e Canhão.
Apesar de ter o jogo sempre aparentemente controlado, a verdade é que a vantagem era só de um golo e só quando o segundo e terceiro golos entraram é que os bávaros puderam respirar com mais tranquilidade.
Esses golos, apesar de merecidos, foram quase que “brindes” da defensiva contrária. Em dia de aniversário é claro que os bávaros não os podiam recusar e Pedro e Arnaldo lá se encarregaram de marcar esses golos.

Foi uma vitória justa com uma arbitragem regular, contra uma equipa que apenas peca no ataque, faltando-lhe aquele bocadinho extra que desequilibra e muitas vezes diferencia uma boa equipa de uma grande equipa. Mas é sem duvida uma equipa que irá subtrair pontos aqueles “candidatos” menos “atentos”.

Monte Aventino é já líder destacado!

Nesta quarta jornada o jogo grande punha em confronto o “Monte Aventino” e os campeões “Vai Avante”, tendo os da casa conseguido uma vitória que surpreende pela expressividade dos números.

Resultados:
Real Portvscale 1-3 Os Parceiros
Sol Nascente 5-0 Juventude
S. Vicente 5-2 Black & White
Matosinhos 4-4 União
Monte Aventino 6-0 Vai Avante


O filme dos golos

1-0 13’ Canto do lado esquerdo. Pedro recebe e toca para Norberto no centro da área, correndo de imediato para lá. Norberto segura a bola e deixa de calcanhar para o irmão que remata sem hipóteses.

2-0 27’ Norberto faz um centro/remate desde o meio campo, em zon frontal. No centro da área um desvio subtil de Pedro, com a anca, engana o guardião.
3-0 29’ Insistência do ataque bávaro. Norberto consegue fazer com que a bola sobre para a frente e Arnaldo à segunda tentativa, de pé esquerdo é lesto a empurrar para a baliza, ainda com o guardião a tocar, mas sem conseguir impedir o golo.


A Estrela
Norberto Sousa – nota 8

Pedro marcou dois golos e foi eleito pela equipa de arbitragem como o MVP, e poucos terão notado que está ainda a recuperar de uma entorse, mas foi Norberto quem esteve na génese dos 3 golos marcados e quem mais se destacou na construção do jogo bávaro.

Os outros bávaros
Canhão – 5
Nuno, Tony, Domingues e Arnaldo – 6
Rui Sá e Pedro – 7




Para terminar a noite em beleza, como não podia deixar de ser os bávaros comeram o bolo, tendo como convidados numa passagem breve pela mesa alguns colegas do TRFL United que fizeram questão de dar os parabéns e desejar pelo menos mais cinco anos de vida.
Todos os atletas se "portaram" bem, à excepção do Capitán Nuno que estava a repartir o bolo e só à sua conta fez desaparecer 5 fatias do delicioso bolo...



domingo, 1 de novembro de 2009

Do Céu ao Inferno num abrir e fechar de… poste!


Do oito ao oitenta e do 88 para o 8…


Na reedição do jogo da semana anterior, agora para a taça, o Bayern foi desta feita muito superior ao adversário, mas voltou a claudicar nos minutos finais. Malditas segundas partes…



Taça SuperFutsal 2009/10 (1ª jornada- Grupo B)
26 de Outubro de 2009, 23,00 horas

Real Portvscale, 3
Bayern Monchique, 3

Jogo no Pavilhão de Brás Oleiros em Águas Santas
Bayern M. – Rui Sá; Norberto, Nuno [cap.] e Domingues (2); Canhão.
Jogaram ainda: Arnaldo (1), Pascoal, Serginho e Tony.
TR: Tozé Ribeiro

Ao intervalo: 0-3
Marcha do marcador: 0-3; 3-3.


Muitas alterações na equipa bávara para esta partida. Saíram Cadu, Pedro e Brito e entraram Canhão e Serginho, mais Nuno e Tony que apenas fizeram figura de corpo presente no jogo da liga. Não se esperavam portanto grandes oscilações na qualidade da equipa. Esperava-se sim outra atitude no encarar do jogo.

Desta vez o Bayern foi mesmo uma equipa e voltou a entrar com tudo. Aos 2 minutos já o Bayern estava em vantagem, tendo ampliado aos 8 minutos. Dois golos do nº 8 a passe do 88.
Aos 15 minutos Arnaldo fazia o terceiro. O Real era uma equipa igual a si própria, muito combativa mas a verdade é que não conseguia chegar à baliza contrária com perigo. Por outro lado beneficiava de um critério demasiado lato no que toca a marcação de faltas por parte da equipa de arbitragem.

Depois veio a segunda parte…
De inicio tudo tranquilo. Depois veio um período de alguma excessiva dureza que já germinava na primeira parte e ganhava aqui contornos mais fortes. Curiosamente o único amarelo mostrado foi a um jogador do Bayern, Arnaldo, por estorvar na reposição de bola de um contrário. Diga-se de passagem que esse amarelo foi justíssimo, mas nunca poderia ser o único na partida, podendo inclusive deixar uma ideia errada do que se passou em campo.

As jogadas mais perigosas continuavam a ser dos bávaros. Serginho isolado falhou o 4º golo, completamente sozinho perante Higuita, atirando ligeiramente ao lado do poste. Pouco depois foi Norberto quem podia ter sentenciado a partida, mas atirou com estrondo à ligação entre o poste e a trave.
Quem não mata morre! À semelhança da semana anterior o Bayern capaz de um “nível 80” durante todo o jogo, haveria de ir novamente a um mero “8”.
O balde de água fria veio por volta dos 14 minutos da segunda parte. Um golo que não se justificava apesar da pressão natural dos contrários. Rui Sá que ao intervalo se queixava de uma estranha sensação de fadiga muscular não fica isento de culpas pois a bola passa entre si e o poste. E assim renascia a esperança nas hostes contrárias.
Com 6 minutos ainda para jogar o Real Portvscale carregou. Higuita juntou-se aos companheiros na frente para criar superioridade numérica e o tiro quase saía pela culatra com Canhão a aplicar um belo chapéu, mas que no final da trajectória desviou-se da baliza. Mais uma vez os bávaros “morreram” aos pés do próprio Higuita que acabou por acertar com sucesso na baliza, após remate de longe.
Emoções ao rubro e muita pressão em campo. O apito final nunca mais vinha e o “pior” aconteceu. Novamente com a colaboração de Rui Sá, que até havia sido o melhor em campo na semana anterior, o Real alcançou o empate que deixa tudo em aberto nesta fase de grupos. O Bayern que ao contrário do jogo para a liga desta vez merecia mesmo vencer, perdeu assim a hipótese de meter já uma perna na segunda fase de grupos, mas tudo continua em aberto.

Na próxima jornada da Taça (18 Novembro) o Bayern recebe o Juventude FC em casa e na última jornada (9 Dezembro) será o Juventude a receber o Real.


O filme dos golos

0-1 2m Nuno recupera a bola e entrega-a a Norberto. Excelente o passe deste para desmarcação de Domingues na ponta direita, que dispara sem preparação de trivela. Golo da jornada?
0-2 8m Quase a papel químico do primeiro golo mas desta vez é um “passe e corte” de Domingues que corre rapidamente para o ataque. O passe de Norberto é excelente, feito pelo ar e Domingues sem tempo para controlar a bola, opta antes por lhe dar um toque subtil a desviar do guardião.
0-3 15m Livre à entrada da área a castigar um atraso ilegal para o guardião. Na marcação Norberto encontra Arnaldo, que encosta no poste mais distante.

1-3 34m Jogada confusa com a bola a sobrar num ressalto para Deco dentro da área, do lado esquerdo quase junto à linha de fundo. O remate de pronto ainda bate em Sá mas escapa-se entre este e o poste.
2-3 38m A jogar de 5 para 4 é o guardião Higuita que opta pelo remate certeiro de bico. Há um colega que abre as pernas e que ajuda a enganar Rui Sá.
3-3 40m Coutinho apanha-se com algum espaço para chutar e apesar de estar junto à linha não desdenha a oportunidade. Rui Sá estica o braço mas abaixa-se perdendo capacidade de defesa e contribuindo decisivamente para o golo.



A Estrela
Pedro Domingues – nota 8

Matador no ataque e uma rocha na defesa. Se alguém não merecia outro resultado que não a vitória esse homem era ele. Servido de forma superior por Norberto pôs a sua equipa em vantagem com dois belos golos. Na segunda parte, período de maior contenção, sobressaiu o “guerreiro” na defesa com cortes importantes e muita raça.


Os outros bávaros

Rui Sá e Tony – 5
Nuno, Canhão, Arnaldo e Pascoal – 6
Norberto e Serginho – 7

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Lição de humildade!


Equipa “Real” superiorizou-se às individualidades bávaras!


Num jogo em que se decidia o continuar ou não no comboio da frente venceu a equipa que aparentemente dispunha neste jogo de menos “recursos” mas que nunca virou a cara à luta e que jogou… como equipa.



Liga SuperFutsal 2009/10 (3ª jornada)
22 de Outubro de 2009, 22,30 horas

Bayern Monchique, 2
Real Portvscale, 4


Jogo no Pavilhão da Académica de S. Mamede
Bayern M. – Rui Sá; Cadu, Brito, Pedro (2) e Domingues [cap.].
Jogaram ainda: Arnaldo, Pascoal e Norberto.
Suplentes não utilizados: Nuno e Tony
TR: Tozé Ribeiro

Ao intervalo: 2-0
Marcha do marcador: 2-0; 2-4.



A terceira jornada da Liga Superfutsal trazia um dos jogos mais apetecíveis de toda a competição. O derby entre Bayern e Real era o jogo da jornada, pondo frente a frente os dois primeiros classificados da liga. Um embate com muita história para trás e que devido às baixas de vulto nos homens da Portvscale deixava sugerir mais uma vitória para os bávaros.
Domingues completou aqui o centésimo (!) jogo como titular (não que isso seja muito importante em futsal… mas fica o registo) e aparecia em jeito de “prémio” com a braçadeira de capitão. Nuno e Tony estavam no banco mas jáse sabia que não seriam utilizados.
Brito a fixo (Norberto estava atrasado) e Cadu na outra ala deveriam servir Pedro na ponta do ataque, posição que o goleador nunca ocupou.
Pedro que regressou à equipa após ausência prolongada por lesão, mas ainda debilitado com uma entorse no tornozelo. Ainda assim fez logo a diferença nos primeiros minutos de jogo. Em dois fogachos do jovem matosinhense o Bayern viu-se a vencer por 2-0. Poderia ter sido o ponto de partida para uma goleada, mas não foi. A verdade é que o Bayern até teve muitas dificuldades em chegar à baliza contrária, algo que não acontecia do outro lado onde Rui Sá tinha muito trabalho para suster os ataques do Real.
Tanto assim que os suplentes tiveram grandes dificuldades em entrar no jogo. A bola não chegava ao pivot, ressentindo-se Arnaldo disso e atrás Pascoal, que entrara (muito mal) a meio da primeira parte, acabava por “estorvar” a Pedro e Brito.
Ao intervalo e apesar de estar a vencer por 2-0 era já notório que o Bayern estava a fazer a exibição mais fraca desde o início da liga…
Tozé mexera mal na equipa não dando descanso a Pedro que ainda não está no nível físico que conhecemos e disso viria a sofrer na segunda parte.


Norberto que chegou com o jogo em andamento lá pôde entrar finalmente na segunda parte mas o jogo bávaro continuou fraco, demasiado apostado nos desequilíbrios individuais que não sortiam efeito. Logo na jogada de saída a bola chegou a Pedro na direita que fintou o defesa e o guardião mas atirou ao lado quando a baliza estava aberta. Foi o mote para a segunda parte.
Do outro lado estava uma equipa personalizada. Fisicamente mais disponível e sempre acreditando num resultado melhor.
A exibição de Rui Sá dava a ilusão de se ter o resultado controlado mas bastaria um golo para a “ilusão” cair.
Com alguma sorte à mistura o Real conseguiu reduzir e depois empatar. Voltava o fantasma de outros jogos. Depois de estar a ganhar o jogo “todo” o Bayern voltava a ter que trabalhar muito para marcar um golo, agora sob a pressão de um eventual fracasso.
Assistiu-se então a um período de domínio repartido. Durante mais de cinco minutos ambas as equipas tiveram oportunidades de marcar mas acabaria por ser o Real a chegar ao terceiro golo, fruto de um erro tremendo da defensiva bávara (Brito?) que ao atacar a bola na defensiva contrária permitiu que o Real aparecesse no ataque com 3 homens contra apenas Norberto. Depois de ultrapassado o ultimo defesa com um passe para o lado contrário foi Selas a fazer o mais fácil.
Com 3 minutos para se jogar, Tozé apostava no milagre e colocava Domingues na baliza, para jogar em 5 para 4. O tiro saiu pela culatra com Marcelo a aproveitar a baliza deserta e a fazer um grande chapéu a um minuto do fim.
Estava consumada a surpresa e pouco mais haveria a fazer. O Bayern ainda tentou mas Higuita e o poste revelaram-se fundamentais para garantir a vantagem.
A vitória do Real acaba por ser justa. Foi mais equipa que os bávaros e nunca baixaram os braços.
A vitória na liga acrescenta também mais pimenta ao próximo derby entre as duas equipas, já hoje para a Taça. Embora o resultado não seja decisivo para determinar quem passa à fase seguinte, a verdade é que nenhuma das equipas lutará por outra coisa que não a vitória. Espera-se que o Bayern tenha tirado daqui uma ou duas lições e que enfrente o jogo com um espírito de maior raça e menos sobranceria.




O filme dos golos

1-0 3’ Passe de Brito em volley. Pedro deixa a bola bater e apanha-a a jeito à entrada da área, disparando forte.
2-0 7’ Lançamento inofensivo de Domingues no meio campo. Pedro recebe e faz o compasso de espera, junto à linha com o adversário nas costas. Simula que parte para o meio e escapa-se pela linha. Avança cinco metros sozinho e decide-se pelo remate vitorioso quando a defesa se tentava reagrupar.

2-1 26’ Passe para a esquerda onde aparece Tiago Gonçalves a controlar a bola e a rematar com a bola a passar por entre as pernas de Sá..
2-2 31’ Jogada confusa com Tiago Cardoso a passar em sucessivos ressaltos por Pascoal e um companheiro até rematar e ver a bola passar por baixo de Sá.
2-3 37’ Contra ataque rápido com um “3 para 1” rapidamente a transformar-se em “3 para 0”. Selas completa a jogada perante um desamparado Rui Sá.
2-4 39’ Defesa de Higuita e jogada muito rápida a seguir. Com muita gente na metade do campo a estorvar e Domingues a correr para a baliza, Marcelo “tira um coelho da cartola” e faz um chapéu “sem espinhas”.



A Estrela
Rui Sá – nota 8

Sofrer 4 golos, perder o jogo e ainda assim ter o guardião como MVP diz muito do jogo e da equipa. No final da primeira parte estaria muito perto da nota 10, tal foi a quantidade de solicitações e a qualidade com que sempre respondeu. No fim do jogo e após 3 golos onde não teve grandes hipóteses e até teve algum azar, ficou com o amargo de ter feito uma grande exibição mas… insuficiente para garantir pontos.


Os outros bávaros

Brito, Arnaldo e Pascoal – 5
Cadu, Domingues e Norberto – 6
Pedro – 7

terça-feira, 20 de outubro de 2009

Canhão e Rouxinol “estragam planos” de Capi!

Muito se falou nos dias em que antecederam o embate, na possibilidade de Capitán “abrir as pernas” permitindo assim que o Juventude perseguisse o sonho de ser campeão. O universo bávaro indignou-se com esse cenário e defendeu o seu capitão com unhas e dentes. Certo é que intencionalmente ou não, a verdade é que foi mesmo Nuno quem deu mão na bola numa jogada estranhíssima, permitindo que os juventinos “voltassem” ao jogo. No final coube a Canhão e Rouxinol limpar a honra da equipa, garantindo um empate que a determinada altura mais não era que uma miragem.



Torneio Homenagem a Tózé Ribeiro (7ª jornada)
17 de Outubro de 2009, 9,50 horas

Bayern Monchique, 3
Juventude Dream, 3


Jogo na Esc. Sec. da Torrinha - Foz
Bayern M. –Tony; Cadu, e Brito (1) e Domingues; Canhão (1).
Jogaram ainda: Rouxinol (1), Nuno [cap.] e Arnaldo.
TR: Mário Brito

Ao intervalo: 1-1
Marcha do marcador: 1-0; 1-3; 3-3.



O Bayern continua a penar nesta que será a ultima participação no torneio do Júlio. É já o 3º jogo consecutivo em que tem de colocar um jogador de campo na baliza e por aí se pode logo ter uma ideia do valor dos bávaros neste torneio. Ainda assim continua a lutar pelo 2º lugar, pese embora esteja actualmente em 5º e sabendo de antemão que há mais 3 galos para esse poleiro.
Pela frente nesta jornada encontrou uma equipa renovada. Este Juventude Dream pouco tem a ver com a equipa frágil e ingénua do passado. Ainda assim os bávaros tinham condições para ganhar e até estiveram em vantagem mas uma desconcentração de Nuno anulou-lhes a vantagem inicial.



A mão de Capi (o lance chave do jogo)

O caso foi caricato e pode-se dizer que a arbitragem não esteve bem pois além de ser verdade que houve um apito já depois da bola partir, também é certo que a mão na bola de Nuno (que pensava estar o jogo interrompido) deu-se à entrada da área e não dentro dela. Seja como for o gesto releva alguma falha de concentração do capitão bávaro…
Assim como assim foi o suficiente para o Juventude chegar ao empate e depois disso tomar mesmo conta do jogo, já que foi evidente que teve durante o jogo mais posse de bola.
Já não bastava ter dado mão na bola, qual génio argentino com a sua "mão de Deus", no fim do jogo no balneário, quando tomava banho com os seus companheiros, Nuno ainda viria a dar novamente uma de Maradona dizendo "quero que vocês se fod**!"

"Que la chupen y la sigan chupando!!!"



Na segunda parte vieram mais dificuldades e o Juventude acabou por chegar ao 3-1. Os bávaros não conseguiam assentar o jogo e tinham dificuldades em sair a jogar. Era por demais evidente que Tony não conseguia colocar a bola jogável nos parceiros da frente e registaram-se seguramente uma mão cheia de “turn-overs”, se me permitem a aplicação de um termo tipicamente ligado ao basket mas que funciona bem aqui.

O melhor disto tudo foi mesmo que os bávaros nunca perderam a esperança e a compostura e conseguiram reduzir e pouco depois igualar o marcador, colocando justiça no marcador.



O momento (alternativo) do jogo

Já muito perto do final e em “resposta” a um remate fortíssimo do lado direito, Tony abaixa-se para permitir que a bola esbarre na barra da baliza e ressalte para a área onde o improvisado guardião bávaro a agarrou. Com esta “não-intervenção” Tony terá garantido que não entrasse o 4º golo dos contrários e consequente derrota para o Bayern.



O filme dos golos

1-0 Brito marca o lançamento entregando em Canhão. Este encosta-se à linha lateral direita e arranca a fundo conseguindo ganhar avanço sobre o seu opositor e espaço para arrancar um tiraço que poucas hipóteses daria de defesa.
1-1 Penalty para a Juventude. Tony adivinha o lado mas não se consegue opôr ao remate de Canigia.
1-2 Livre à entrada da área em zona frontal. Zé Luis até remata fraco e rasteiro mas a barreira abre e a bola ainda é desviada pelo calcanhar de Domingues traindo Tony.
1-3 Contra ataque bem executado. Zé Luis passa ao lado e vai receber ao segundo poste, bastando encostar.

2-3 Roubo de bola de Brito no meio campo. Segue para a frente e com oportunidade de rematar, fá-lo com sucesso, num tiro rasteiro e bem colocado.
3-3 Boa iniciativa de Canhão arrancando do meio para a esquerda. O remate de fora da área sai forte, levando o guardião a soltar a bola para o lado contrário. Rouxinol que acompanhava o lance pela direita é lesto e chega primeiro à bola, fazendo o empate muito festejado.



A Estrela
Ricardo Canhão – nota 6

Excelente na arrancada do primeiro golo e quase tão bom na arrancada que deu origem ao ultimo. Parece estar a voltar à boa forma que o distinguiu e a muitos surpreendeu antes da lesão. Foi o mais inconformado da equipa perante o resultado negativo.


Os outros bávaros

Tony, Cadu, Brito, Domingues e Rouxinol (6)
Sem deslumbrar estiveram a um nível razoável.

Nuno e Arnaldo (5)
Arnaldo porque esteve pouco tempo em campo e Nuno pela desconcentração que quase deitava tudo a perder.

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Arrancado a ferros!


Os 3 pontos poderiam ter ficado em Gondomar!

Deslocação muito difícil a Gondomar para defrontar outra das estreantes na Liga. Recheada de bons jogadores “Os Parceiros” meteram os bávaros em sentido, nunca permitindo que o Bayern sossegasse, mesmo quando tinha 3 golos de vantagem. A vitória do Bayern foi justa mas a julgar pela primeira parte, poderia bem ter sorrido aos visitados.


Liga SuperFutsal 2009/10 (2ª jornada)
12 de Outubro de 2009, 22,30 horas

Os Parceiros, 3
Bayern Monchique, 5

Jogo no Pavilhão do Colégio Paulo VI, em Gondomar
Bayern M. – Rui Sá; Norberto (2), Nuno [cap.] e Domingues; Cadu (1).
Jogaram ainda: Arnaldo (2), Tony e Canhão.
TR: Tozé Ribeiro
Disciplina: Cadu (amarelo por não respeitar a indicação do árbitro)

Ao intervalo: 2-2
Marcha do marcador: 1-0; 1-2; 2-2; 2-5; 3-5.


Primeira a fundo!

Os primeiros dez minutos foram disputados em ritmo elevadíssimo. Os Parceiros entraram “com tudo” e o Bayern não conseguia pôr o pé no travão. Pelo contrário pôs também o “pé na tábua” e acelerou também o jogo. Em consequência disso nos 10 primeiros minutos a bola não parou, num vaivém constante entre as defesas e os ataques, com passagens fugazes pelo meio campo. Um estilo de futsal muito pouco pensado que favorece o espectáculo mas em nada agrada aos treinadores. O auge desse período traduziu-se em 4 golos praticamente seguidos entre os 5 e os 8 minutos.
Depois disso vieram as primeiras substituições e algum abrandamento, mas não muito.

Até ao intervalo o Bayern conseguiu colocar-se em vantagem beneficiando de um bom entendimento entre dois atletas que saltaram do banco, após um golo fabricado por Canhão e concluído por Arnaldo.

Com a vantagem do seu lado ao intervalo e com os “pulmões a arder”, o Bayern entrou para a segunda parte a gerir. Não interessava manter o ritmo louco e o importante era aumentar a vantagem. Os bávaros conseguiram aguentar a pressão e lá foram aviando as bolas que chegavam perto da área. Por outro lado o jogo começava a endurecer e rapidamente Os Parceiros chegaram a quatro faltas. Na marcação desse livre Norbrto fez o 4-2, encostando o adversário ainda mais à parede, sempre debaixo do pesado bater dos ponteiros do relógio.
Dois minutos depois, em contra ataque, Arnaldo sentenciou o resultado, aumentando para 3 a vantagem. Já ninguém acreditava numa reviravolta…
Ainda assim Os Parceiros nunca baixaram os braços e continuou a assistir-se a um grande assédio à baliza de Sá.
Numa dessas bolas mas já a cinco minutos do final, Os Parceiros tiveram um prémio merecido que atenuou a diferença no marcador para apenas dois golos, dando uma expressão mais realista ao marcador.

Foi portanto uma vitória importantíssima, arrancada a ferros contra uma equipa de enorme valor e num pavilhão onde se prevê muitas dificuldades para qualquer equipa.



O momento do jogo

Aos 6 minutos, com o resultado em 1-0 para os visitados, Norberto perde uma bola no meio, facilitando o isolamento de Marco Moura perante Rui Sá. À saída deste, o goleador gondomarense driblou o guardião da direita para a esquerda e já com a baliza aberta tentou o “golo da jornada”, de letra. “Acertou” ao lado da baliza, falhando assim o 2-0. O lance acabou por ser crucial pois ao invés de aumentar a vantagem da sua equipa, permitiu que nos dois minutos que se seguiram, que os bávaros chegassem ao empate e logo a seguir à vantagem.



O filme dos golos ao minuto

1-0 (5m) Remate forte travado pelo corpo de um defesa. Na recarga e ainda de fora da área, Marco Moura inaugura o marcador com um pontapé forte.
1-1 (6’) Passe de Domingues para o meio em Norberto que avança com a pressão de um defesa ao seu lado e manda um bico. A bola entra a subir, até à malha superior.
1-2 (7’) Cadu rouba uma bola no meio campo e parte para o ataque pela direita. À entrada da área dispara rasteiro e forte mas… o guardião não parece ficar muito bem no retrato.
2-2 (8’) Na marcação de um livre directo na meia esquerda do ataque, Fernando Sousa dispara directo, com muita força.
2-3 (16’) Canhão é solicitado a correr pela direita. Sempre pressionado vai até à linha e puxa para trás, ludibriando o defesa que o acompanhava. Depois entrega para trás para Arnaldo que aparece a rematar de primeira. A bola passa ainda por entre as pernas do guardião.

2-4 (28’) Falta sobre Domingues no ataque, sensivelmente no mesmo sítio onde os Parceiros haviam feito o 2-2. Norberto opta pelo remate e solta um petardo que só pára nas redes da baliza.
2-5 (30’) Norberto lança o contra ataque para Domingues que corre até à linha de fundo, pela direita, até soltar para o centro da área à saída do guardião. Arnaldo encosta para o golo, com o pé que estava mais à mão, o esquerdo.
3-5 (35’) Bola bombeada directamente para o ataque. Marco Moura a trabalhar a pivot, consegue receber de costas para a baliza à entrada da área e apesar das tentativas de Arnaldo, consegue rodar sobre este e fazer um golo de belo efeito, com a bola a entrar no ângulo superior mais distante.



A Estrela
Norberto Sousa – nota 8

O elemento “mais” desta equipa tanto a atacar como a defender, joga e faz jogar. Desta vez não deu directamente nenhum golo a marcar mas encarregou-se ele próprio de marcar dois.


Os outros bávaros

Rui Sá, Nuno, Tony e Canhão – 5
Domingues e Cadu – 6
Arnaldo – 7

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

Nas mãos de Pascoal

Torneio Homenagem a Tozé Ribeiro (5.ª jornada)
10 de Outubro de 2009, 12.15 horas (a fugir para as 12.45horas...)

Bayern Monchique, 1
Petrogal, 0


Jogo na Esc. Sec. da Torrinha - Foz
Bayern M. – Pascoal; Domingues, Canhão (1), Rouxinol e Arnaldo
Jogou ainda: Brito
TR: Mário Brito

Ao intervalo: 1-0
Marcha do marcador: 1-0

Improvisado guardião assumiu protagonismo inesperado e segurou o triunfo

Com tantas ausências de vulto (Tony e Capitán) e outra baixa em cima da hora (Portero), o Bayern apresentou-se apenas com seis elementos, seis verdadeiros heróis, tendo um deles sobressaído dos demais: Pascoal, o novo guardião bávaro!
Alguns rumores apontam que a disponibilidade demonstrada de imediato foi uma forma de desencorajar o afilhado Wilson (que assistiu à partida com a camisola bávara!) a seguir a tendência para a baliza, mas o verdadeiro motivo foi mesmo os resquícios da entorse sofrida na primeira jornada que fizeram Pascoal usar as luvas e vestir as calças compridas.
Já o efeito final, se era mesmo desincentivar o seu menino, saiu furado, uma vez que Pascoal foi mesmo o melhor em campo, com um punhado de intervenções de recursos que mantiveram a sua baliza inviolável! Wilson, no final, estava radiante. «Agora, ainda quero ser mais guarda-redes», disse ao “tio” Nokas, no desfecho da partida.

O jogo...
Mário Brito optou por se deixar no banco, apostando em Canhão. Uma opção polémica mas que deu frutos, uma vez que foi mesmo este elemento que abriu o activo, num remate cruzado, após assistência de Mingues. Jogava-se, para aí, o segundo/terceiro minuto...
A vencer, o Bayern dava a iniciativa ao adversário, apostando depois nos contra-golpes para ampliar a vantagem. Podia tê-lo conseguido, mas Arnaldo e Rouxinol desperdiçaram boas ocasiões. A Petrogal, com alguns elementos muito interessantes, também podia ter empatado, sobretudo, na sequência de alguns ressaltos e outros lances confusos. Aí, Pascoal mostrou que a equipa podia contar com ele.

Viva o Catenaccio!
Na segunda parte, o Bayern soube gerir o relógio e o cansaço, mas ainda sofreu um bom bocado, porque a Petrogal (e muito bem) nunca se entregou e, depois, porque não conseguiu sentenciar o jogo (ou talvez não...) com o segundo golo, que, mais uma vez, podia tê-lo feito por Rouxinol e Arnaldo. Aqui, destaque para as corajosas intervenções de Petr Cech, o guardião dos forasteiros.
À medida que o jogo se encaminhou para o final, aumentou o volume de intervenções de Pascoal, que, sem serem do outro Mundo, foram de nível médio/alto, sobretudo, na resposta a remates de meia distância. Num desses tais remates, acabou por ser o número 8 da própria Petrogal a evitar que a sua equipa marcasse pois a bola, que ia entrar, bateu nas suas pernas quase sobre a linha de golo.

Ataque ao... segundo lugar
Assim, com sofrimento, mérito e alguma felicidade à mistura, o Bayern somou mais uma vitória que o mantém na corrida ao segundo lugar, já que o primeiro está praticamente entregue às Condominhas, e isto quando ainda faltam três jornadas para o fim da prova.

Notas
Pascoal (8) (Impediu por três vezes o autogolo de Arnaldo!)
Domingues (7) – Atitude e assistência para golo
Canhão (7) – Atitude e um golo que valeu três pontos
Rouxinol (7) – Atitude
Arnaldo (7) – Atitude
Mário Brito (7) – Atitude

A frase
Mingues após o (único) golo do Bayern
«Temos de decorar mentalmente os golos e as assistências»